Revista Brotéria

  

Maio / Junho de 2018 Volume 186

 Descarregar PDF Voltar


1  Editorial: Na crise do compromisso comunitário
António Júlio TRIGUEIROS SJ
2  Lei de Identidade de Género: um desconchavo
Walter OSSWALD
3  Sou mulher, porque não sou homem! – a propósito da proposta de Lei de Identidade de Género
Margarida Gonçalves NETO
4  Fátima, Futebol e Fado: uma leitura contemporânea
Rui Proença GARCIA
5  O Futebol tem Violência, não é violento
Manuel SÉRGIO
6  A corrupção não se combate com o silêncio
Miguel Câmara MACHADO
7  A transição política na Líbia pós Gadhafi
Maria Norton Gomes da SILVA
8  Amoris Laetitia e Direito Canónico
John ALESKANDER
9  Maio de 1968
Fernando Micael PEREIRA
10  A Igreja na cidade- serviço e acolhimento. Arquitetura portuguesa
João Luís MARQUES

Observações: Maio/Junho
Revista Brotéria

Conselho de Direcção e de Redacção

Contacto António Júlio Trigueiros, SJ
Director
Contacto
Contacto António Vaz Pinto, SJ

Contacto
Contacto Vasco Pinto de Magalhães, SJ

Contacto
Contacto Francisco Sassetti Mota, SJ

Contacto

Conselho de Redacção

Contacto Carlos Capucho

Contacto
Contacto Carlos Maria Bobone

Contacto
Contacto Francisco Malta Romeiras

Contacto
Contacto Francisco Sarsfield Cabral

Contacto
Contacto Guilherme d'Oliveira Martins

Contacto
Contacto Henrique Leitão

Contacto
Contacto Joaquim Sapinho

Contacto
Contacto Manuel Braga da Cruz

Contacto
Contacto Margarida Neto

Contacto
Contacto Miguel Corrêa Monteiro

Contacto

Índice Maio/Junho 2019

 Descarregar PDF

MAIO/JUNHO 2019 - Editorial: Agustina, um inédito

Desde 1955 que a obra da escritora Agustina Bessa-Luís, que nos deixou no passado dia 3 de junho, foi alvo da atenção dos principais críticos literários da Brotéria: Manuel Antunes, João Mendes, João Maia, José Alves Pires, Francisco Pires Lopes. 

Ler artigo

ABRIL 2019 - (In)compatibilidade do Islão e Democracia

O interesse por este tema surgiu pela leitura de uma obra muito interessante de Amartya Sen, intitulada «Identidade e Violência» , onde o autor faz uma critica à nossa visão do mundo  e à caracterização dos «outros» (os Ocidentais sobre os Muçulmanos e os Muçulmanos face aos Ocidentais) reduzida a apenas uma identidade, ou seja, caracterizam a sociedade e os seus cidadãos numa base identitária unidimensional -  a religiosa – esquecendo outras identidades importantes como a profissão, a familiar, a social, a moral, a política, entre outras. 

Ler artigo

You are here: Página Inicial